Negociações para IA e compartilhamento de dados com a China dão a Pequim uma ferramenta potencialmente vital para controle, alertam especialistas nwnews

O fluxo de dados transfronteiriço desempenhará um papel vital na formação do cenário internacional de inteligência artificial, mas o medo da tecnologia balcanizada não deve cegar os países ocidentais relativamente às ambições e abordagem de longa data da China, argumentaram os especialistas.

“Ninguém quer um mundo balcanizado, e a China também não”, disse Nate Picarsic, pesquisador sênior focado na política da China na Fundação para a Defesa das Democracias (FDD), à Fox News Digital. “Mas não deveríamos deixá-los no comando e definir os termos de todos esses novos domínios apenas em defesa do sistema global”.

“Temos que ter clareza sobre o que eles estão tentando fazer, defender nossos interesses, ter segurança e proteção para garantir que eles cumpram as regras… caso contrário, acabaremos em um ambiente de IA e dados que é definido pelas normas e padrões chineses, porque é essa a sua ambição”, acrescentou.

A China e a União Europeia iniciaram no mês passado conversações sobre o fluxo de dados transfronteiriços – um componente crítico para garantir que a IA não crie um cenário global ainda mais estratificado e balcanizado.

CELEBRIDADES LUTAM CONTRA A TECNOLOGIA DE IA ‘PERTURBADORA’ QUE FAZENDO UM RESPINGO EM HOLLYWOOD

O foco no fluxo de dados transfronteiriço permaneceu importante por vários anos: Brookings publicou um artigo em 2018 de seu diretor e cofundador do Projeto de Pesquisa Tecnológica Peter Lovelock e do pesquisador sênior Joshua P. Meltzer defendendo a importância dos dados compartilhando com as nações asiáticas.

“A Ásia-Pacífico continua a ser uma das regiões que mais cresce no mundo, tanto economicamente como em termos de conectividade”, escreveram a dupla. “Em 2017, a Ásia tinha o maior número de utilizadores de Internet do mundo, com 1,9 mil milhões de pessoas online.”

Conversas de alto nível sobre fluxo de dados

O vice-presidente executivo da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, e o vice-primeiro-ministro chinês, He Lifeng, partem no final de uma conferência de imprensa conjunta após o 10.º Diálogo Económico e Comercial de Alto Nível China-UE, na Diaoyutai State Guesthouse, em Pequim, em 25 de setembro de 2023. (Reuters/Florença Lo)

O documento sublinhou a importância das economias digitalizadas e o efeito que teriam no comércio internacional.

Nos anos que se seguiram à publicação desse artigo, a transformação digital apenas acelerou, atingindo uma velocidade máxima graças ao acesso generalizado a modelos generativos de IA e a grandes modelos de linguagem que apanharam o público de surpresa e despertaram a imaginação.

O QUE É INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL (IA)?

Muitos líderes, no entanto, viram o potencial para uma rápida fratura no cenário internacional com base no acesso e na qualidade dos modelos de IA disponíveis. A IA varia em potencial e capacidades dependendo dos dados disponíveis para a treinar — um problema que pode surgir do facto de a maioria das nações não confiar na partilha de dados básicos quando mesmo algo tão simples como as rotas marítimas pode ser politizado.

“Acho que a maior questão neste momento é reunir as pessoas à mesa e reconhecer que há uma necessidade de desenvolver estas relações e compreender a globalização de… partilha geral de dados e tentar fazer essa ligação”, James Hess, professor da Escola de Segurança e Estudos Globais do American Public University System, disse à Fox News Digital.

Conversações Europeias de Pequim

A vice-presidente da Comissão Europeia, Vera Jourova, e Jorge Toledo, embaixador da União Europeia na China, participam numa conferência de imprensa sobre o Diálogo Digital de Alto Nível UE-China em Pequim, em 19 de setembro de 2023. (Reuters/Florença Lo)

Um dos acordos de partilha de dados de maior destaque é a Five Eyes Alliance, que compreende os EUA, o Reino Unido, a Austrália, o Canadá e a Nova Zelândia. As cinco nações partilham principalmente informações de inteligência, mas também incluem dados significativos.

A partilha de dados apenas com os aliados não será suficiente, pois isso poderá resultar numa delimitação Leste-Oeste mais forte do que a que já existe, graças ao esforço da China para proteger e dividir os seus dados. Pequim baniu durante anos as redes sociais ocidentais e promoveu os seus próprios equivalentes; em vez do Facebook, os residentes chineses usam o WeChat.

META PODE ESTAR USANDO SEUS POSTS NO FACEBOOK E INSTAGRAM PARA TREINAR SUA NOVA TECNOLOGIA

A China baniu o Youtube, o WhatsApp, o Gmail, o Instagram, a Wikipedia e o Spotify, apenas para citar alguns exemplos que mostram o efeito da política de censura na Internet do país. Até mesmo meios de comunicação, incluindo a BBC, o New York Times e o Wall Street Journal, entraram na lista.

A significativa desconfiança entre a China e outros países em relação aos dados e à censura coloca em desvantagem as discussões sobre o fluxo de dados transfronteiriços.

Fluxo de dados transfronteiriço

O ex-ministro do Comércio da Austrália Craig Emerson, à esquerda, e o ex-ministro das Relações Exteriores da China, Li Zhaoxing, apertam as mãos no 7º Diálogo de Alto Nível China-Austrália na Diaoyutai State Guesthouse em Pequim, em 7 de setembro de 2023. (Reuters/Florença Lo/Pool)

“O maior problema surge se houver um sentimento de falta de transparência ou de total honestidade ao compartilhar essas informações”, disse Hess. “Essa é uma das coisas que me preocupa quando falamos em partilha com outras nações, especialmente quando se fala da China ou se se acrescenta a Rússia.

“Não existe exatamente um histórico de transparência total e, na verdade, se você quiser desenvolver confiança nela, isso pode se tornar problemático… um dos maiores problemas com os quais vemos os tomadores de decisão lutando quando se trata de IA é desenvolver confiança em um sistema isso tem um potencial tremendo.”

AGÊNCIA DE ESPIÃO DOS EUA REVELA NOVO CENTRO DE SEGURANÇA NACIONAL DE ALTA TECNOLOGIA

Picarsic e a sua colega no FDD, Emily de La Bruyere, sublinharam que, por mais encorajadoras que possam ser conversações como esta, não podem ignorar a história e a forma como a China utilizou a informação para exercer controlo.

“A China construiu todo um sistema regulatório para garantir que o que define é estratégico e importante do ponto de vista comercial, de segurança e político”, disse de La Bruyere. “Os dados são localizados na China para garantir que o governo chinês tenha acesso a esses dados na China, bem como aos dados recolhidos e utilizados pelas empresas a nível internacional”.

Negociações climáticas EUA-China

O enviado climático dos EUA, John Kerry, à esquerda, é recebido pelo principal diplomata chinês Wang Yi antes de uma reunião no Grande Salão do Povo em Pequim para negociações climáticas em 18 de julho de 2023. (Florence Lo-Pool/Imagens Getty)

Bruyere chamou os dados de “o fator definidor” na abordagem da China à produção em “um novo ambiente tecnológico”, o que contrasta com a abordagem da União Europeia, que “há muito prioriza a privacidade dos dados” e cria “um campo de jogo justo e claro quando se trata de dados.”

Picarsic destacou a “armadilha” da abordagem da Europa, que, segundo ele, se concentraria em garantir o acesso ao mercado da China com o “sacrifício” da segurança.

“Os chineses são adeptos de aproveitar o incentivo do mercado chinês para vencer nas negociações multilaterais bilaterais – em todos os níveis – e penso que é possível que os intervenientes da UE possam participar nestas conversações com o acesso ao mercado em mente”, argumentou.

CLIQUE AQUI PARA OBTER O APLICATIVO FOX NEWS

“Acho que as reações imediatas… aparentemente foram algo positivas em termos de haver perspectivas céticas sobre a abordagem da China”, acrescentou.

“A ambição (da China) não é seguir as regras e jogar em igualdade de condições”, continuou Picarsic. “O objectivo deles é ter um controlo assimétrico para que possamos interagir com eles e ter um acordo baseado em regras. Isso é o ideal, mas não devemos sacrificar as nossas normas e expectativas sobre o comportamento do mercado apenas para ter um acordo.”

A Reuters contribui para este relatório.

Source link

Check Also

Stanley tem uma grande promoção na Amazon – 7 ótimas ofertas que eu compraria agora por apenas US$ 22 nwnews

A Stanley é uma empresa conhecida por suas garrafas e copos de água modernos, coloridos …

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *