‘Geração V’ construiu pênis real para cena de sexo explosivo, explicam os criadores nwnews

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém pequenos spoilers do episódio 4 da “Geração V”, agora transmitido no Prime Video.

Não seria o universo “The Boys” sem um pênis explodindo, certo?

Em seus primeiros quatro episódios, o spinoff do Prime Video, “Gen V”, conseguiu superar “The Boys” no grande número de pênis mostrados na tela – e também deu início à primeira “explosão de galo” vista na TV. Naturalmente, tivemos que conversar com os produtores executivos Eric Kripke e Michele Fazekas sobre isso.

No episódio 4, Marie (Jaz Sinclair) está procurando Emma (Lizzie Broadway), sua colega de quarto desaparecida que se encolheu muito para investigar o misterioso programa supe de Woods. Para obter respostas sobre seu paradeiro, Marie recorre a um colega de classe chamado Rufus (Alexander Calvert), um vidente assustador que se oferece para encontrar Emma – mas sugere que Marie pague sexualmente por seus serviços. Marie pensa em abandonar Rufus, mas ele cede e lhe dá algumas informações sobre Emma.

De repente, porém, Marie desmaia e acorda no quarto de Rufus com o pervertido psíquico nu na frente dela, claramente planejando atacá-la. Com seu amigo Jordan (London Thor) batendo na porta, Marie é pega no caos e acidentalmente usa seus poderes de dobrar sangue para aumentar o pênis de Rufus até um tamanho desconfortavelmente grande. Assim que Jordan arromba a porta, os poderes do sangue de Marie atingem seu pico e o pênis de Rufus explode em uma confusão sangrenta.

O primeiro episódio da “Geração V” teve outra piada sobre o pênis, embora muito menos sangrenta – e ecoou uma cena de sexo enorme e semelhante na estreia da 3ª temporada de “The Boys” no ano passado. Durante uma reunião no dormitório, Emma encolhe a pedido de seu colega de classe Liam (Robert Bazzocchi), que tem um fetiche por heróis encolhedores. Durante a cena de sexo, a pequenina Emma sobe no pênis de Liam, que parece hilariamente gigantesco em comparação.

Com VariedadeKripke e Fazekas revelam como filmaram a cena do pênis enorme, analisam a “explosão do galo” e revelam o significado secreto do nome de Rufus.

Temos que começar com a explosão do pênis, embora provavelmente exista um nome melhor para ela. Como vocês chamaram isso?

Michele Zekas: Explosão de galo, eu acho.

Eric Kripke: Sim, é uma explosão de galo.

Entre isso e o pênis gigante na estreia da série, este rivaliza com “The Boys” nas representações da genitália na tela. Você tentou superar a série principal de propósito?

Oleiro: Quando entrei no programa, percebi que conheci Eric e Evan (Goldberg), caras heterossexuais adoram pênis. Eles adoram falar sobre eles, olhar para eles.

Kripke: Tão engraçado. Eles são infinitamente engraçados. São as coisas mais estranhas. Eles são simplesmente hilários.

Oleiro: Nunca chegamos a dizer: “Queremos superar ‘The Boys’”. Essa cena, sim, é sobre uma explosão de galo, mas veio de muitas mulheres na minha sala de roteiristas que foram para a faculdade e que ‘ tive essas experiências de merda com caras na faculdade, onde você pensa: “Esse cara é um predador?” Sentindo-se inseguro. Foi daí que surgiu, das jovens indo para a faculdade. Nunca começamos com algo ultrajante, sempre começamos com a história.

O momento logo antes da explosão do galo, quando Marie de repente se encontra em uma sala com Rufus nu, é bastante chocante. Se ela não acordasse e usasse seus poderes de sangue, o que teria acontecido lá?

Oleiro: Ele é um cara que é como o Rufenal humano. Ele provavelmente iria agredi-la sexualmente, e é por isso que é bastante satisfatório quando isso não acontece do jeito dele.

Kripke: É intencional que o nome dele seja Rufus. Sempre conversamos sobre ele e como ele é um telhador ambulante.

Como você tentou equilibrar esses tópicos pesados, como automutilação e transtornos alimentares, com esse mundo exagerado e sombriamente engraçado?

Kripke: É o mesmo processo em “The Boys”, onde você realmente tem que liderar com caráter. Você tem que tratar seus personagens com empatia e humanidade. Na vida existe humor negro e as pessoas fazem piadas para poder lidar com a situação. A pessoa pode ser engraçada, mas o que ela está passando não é engraçado, e você nunca pode fazer disso uma piada. Você tem que interpretar como o personagem realmente se sentiria a respeito. Você pode entrar em coisas reais pelas quais pessoas reais estão passando. Há diálogos sarcásticos no show? Sim, mas o universo de “The Boys” não é como um Joss Whedon, tudo é divertido, leve e agitado.

Oleiro: Tratamos essas coisas com muita seriedade. Conversamos com especialistas no assunto sobre pessoas que cortam e pessoas que têm transtornos alimentares e mentais, e queríamos saber todas as informações – porque você precisa saber e estar atento a elas antes de começar. Não estamos apenas contando piadas, quer queira quer não, “Os transtornos alimentares são hilários”. A primeira vez que você vê Emma vomitando, ela está com sua bolsa e tem todo esse ritual que ela faz todas as vezes, e isso é muito real. Não estamos tratando isso levianamente.

Aprendemos no final do episódio que Emma não só pode encolher, mas também pode crescer até atingir um tamanho enorme comendo alimentos. Como você filmou essas cenas gigantescas?

Oleiro: Você atira nela e há um pouco de perspectiva forçada sobre como fazê-la parecer grande, mas na maioria das vezes é apenas atirar nela e depois colocá-la na cena gigante.

Kripke: Sim, é tudo tela azul com a filmagem dela separadamente e depois cuidadosamente adicionada ao que eles estão filmando com Sam.

Voltando ao episódio de estreia, quando Emma está namorando Liam, o pênis gigante era real ou CGI?

Oleiro: Temos um pênis prático de um metro e meio e o aprimoramos com efeitos visuais.

Kripke: Não é nosso estilo fazer CG de um pênis. Acho que é importante para a verossimilhança que criemos esses pênis de forma prática. Quando estávamos escrevendo o piloto, aquela cena, por mais chocante que seja, é sobre a auto-estima de Emma. É sobre ser instigada e pressionada a fazer algo sexualmente com o qual ela não se sente confortável e que realmente lhe custa alguma coisa. Mais uma vez, nunca pensamos: “Ei, explodimos um pau em ‘The Boys’, então vamos fazer uma pessoa minúscula escalar um pau neste aqui”. Estamos sempre falando sobre “Ela está passando por isso” e essa foi uma forma ousada de dramatizar isso.

Esta entrevista foi editada e condensada.

Source link

Check Also

Stanley tem uma grande promoção na Amazon – 7 ótimas ofertas que eu compraria agora por apenas US$ 22 nwnews

A Stanley é uma empresa conhecida por suas garrafas e copos de água modernos, coloridos …

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *